quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Tempestade

No silêncio da noite o vento sussurra-me ao ouvido, com a sua melodia cruel e fria, que estou sozinha...
O som que ele emite ao dizer isso é tão arrepiante que sinto um calafrio de medo a percorrer-me o corpo.
Que solidão invade o meu quarto! Que ruídos surdos me estremecem a alma! Paro e ouço.... o som parece modificar-se, o som que agora ouço parece dizer “ vem ter comigo”!
Será que és tu quem me chama? Escuto mais uma vez, agora com redobrada atenção.... a melodia persistente do vento parece continuar a dizer “vem ter comigo!”....
Olho em redor, não está cá ninguém....
Ainda escuto esse apelo “vem, vem ter comigo!”
És tu meu amor? Também pensas em mim?
Agora, nova dúvida persiste: ouço mesmo a tua voz ou é apenas o meu desejo que modifica o simples ruído do vento?
A angústia a apoderar-se de mim... oh! Não consigo distinguir! É tudo tão confuso....
A chuva caí, dificultando cada vez mais a minha percepção...
Penso: devo seguir o meu coração? Ir de encontro a essa tempestade que me chama?
“Vem ter comigo!”....
Ainda me chamas.... mas agora o som está cada vez mais fraco, mais indistinto.... o vento cada vez mais distante....
“Amo-te”! Respondo, na esperança vã que o mesmo vento te leve as minhas palavras....

4 comentários:

farrusco disse...

deito-me sozinho à noite,
sem ti
lá fora o vento roça as paredes...
olho para o tecto e fecho os olhos,
memórias de nós assaltam-me os pensamentos
lá fora o vento violenta a paisagem...
a solitude é dura quando se ama tão profundamente,
fazes-me falta e procuro-te nos meus sonhos
lá fora o vento dizima as folhas...
adormeço em pensamentos de felicidade
e nos meus sonhos há apenas uma brisa suave que embala o nosso caminhar apaixonado

Ricardo Mendonça disse...

Fico feliz que tenhas gostado das palavras :)
Claro que a recíproca também é verdadeira, estás á vontade para "invadir" meu blogue... elogiar, criticar, falar bem ou mal :)
É assim que melhoro meus passos nesta aventura no mundo da fotografia ;)

Beijinhos
(E parabéns pelas palavras. Continua...)

Silvano Vianna disse...

Retribuindo a visita:

Ah que nada, fique tranqüila quanto a visita, pelo o contrário faça-as com mais freqüência. Não acho que seja um reflexo do desejo de sermos amados, mas hoje sem ser saudosistas as relações interpessoais se constroem de uma maneira diferente, ao meu modo de ver mais fugaz e vazio. Acho que as pessoas estão tão desesperadas em poder falar que sentem alguma coisa e a procura de sentimentos que terminam criando relações que não sabem o que sentem e como sentem, vejo ao meu redor muitos amigos e amigas mantendo relações para não ficar só, acho que o medo da solidão pode explicar alguns destes comportamentos, mas obviamente não explica tudo, de resto, sei que lamento ver que hoje em dia as relações amorosas estão se construindo desta maneira. Bem...é isso. Depois com mais calma visito o seu Blog, passe no Discursso quando puder e quando quizer, sinta-se sempre em casa lá.
Abraços!

PS: Você é formada em Psicologia?! Aonde?! E é portuguesa ou brasileira?!

Anónimo disse...

Simplesmente fenomenal (:
o meu texto preferido, de entre inumeros bons que tens aqui.
A maneira como consegues descrever o momento, com tanta intensidade, com tanta esperanca!
A tentatica de ir ao encontro daquela voz, que poderá ser apenas a vontade a falar mais alto.
Adorei a forma como descreves o momento, intenso e profundo!

Beijinho


/Marina


P.s -> Continua a escrever textos maravilhosos como esse, sou um "fã" atenta do teu blog (: